sábado, 3 de abril de 2010

Entre o circo e os púlpitos: onde é mais engraçado?


Acabei de “sapear” alguns vídeos no youtube onde encontrei variados e conhecidos pregadores da Assembleia de Deus. Sinceramente, fiquei estupefato. Parece-me que se convencionou a aberração, o esdrúxulo, a bestialidade, a loucura, o insensato, o deprimente. A imagem que captei foi a de um bando de ouvintes com as funções mentais completamente anestesiadas. Dos vídeos que suportei ver e ouvir – pois no começo é até engraçado, mas depois começa a irritar – encontrei muitos discursos sem sentido, fruto de interpretações ridículas, próximas do absurdo, tiradas dos textos bíblicos.
Em um dos vídeos, o pastor (se assim posso chamá-lo) montou um mirabolante sermão escatológico. Apocalipticamente ele fez uma leitura da história e dos acontecimentos hodiernos à luz de costuras bíblicas, com textos fora de seus contextos, chegando a conclusões apoteóticas. O pior não é isso. As mensagens deixadas por aqueles e aquelas nos recados abaixo do vídeo, mostravam um grande interesse pelo assunto exposto e recomendavam outros “escatólogos” supostamente mais profundos. Senti vontade de rir concomitante a de chorar ao ver os pastores em sua retaguarda, em êxtase, levantarem suas mãos confirmando toda aquela verborragia dispensacionalista. O público, alvo de minhas maiores preocupações, estava boquiaberto e feliz por ouvir tantas informações “instigantes”. A multidão era manipulada pelo orador com tanta facilidade, que em determinado momento da mensagem ele conseguiu fazer todos apontarem o dedo uns para os outros e repetirem frases prontas, como se estivessem se ofendendo mutuamente – pura loucura! Imagina tu: um grupo de 200 mil homo sapiens gritando reciprocamente, frente a frente, frases triunfalistas e sem sentido; é ou não é maluquice coletivizada? E mais, acima deles estava o “grande” pastor, “pregador”, “conferencista internacional”, “profeta” e “homem de Deus” satisfeito com a tarefa cumprida.
Sei que personagens como Nietzsche, Marx e Freud são temidos e exorcizados entre nós. O pavor é tanto a ponto de os demônios, hoje em dia, ao serem interrogados em algumas sessões, identificarem-se, na boca dos possessos, com os nomes desses pensadores modernos! Deixemos de lado a brincadeira para tentarmos expor a razão de tanta fobia.
A ojeriza por esses filósofos, pelo menos entre os crentes, foi causada por algumas de suas reflexões a respeito do fenômeno religioso. Talvez, encontremos entre elas ideias ultrapassadas ou, até mesmo, injuriosas. Contudo, como não concordar com o autor de Assim Falou Zaratustra no seu anúncio da morte e sepultamento de Deus? Claro que Nietzsche afirma isso em um contexto e tempo diferentes, quando as ciências modernas e o racionalismo, com empáfia, diziam esvaziar a necessidade do conceito “Deus”. E mais, nessa perspectiva quem morre não é o Deus em si, mas a ideia medieval e obscurantista. Em relação à afirmação nietzschiana, penso na sua aplicabilidade e renovação quando ouço esses tipos de pregadores, pois o Deus de Jesus, aquele anunciado pelos evangelistas neotestamentários, perde-se e, na perspectiva de Mircea Eliade, torna-se um deus otiosus, que esquecido pelos fiéis, deixa seu lugar para outras divindades mais jovens ou atraentes.
Diante das cenas preservadas no youtube, sou quase obrigado a troar a afirmação de Marx de que a religião realmente pode ser um entorpecente “ópico” alienador da realidade, que embuça com flores e jardins as correntes socialmente colocadas. E chego a pensar que Freud parece ter visto o mesmo vídeo que vi. Como não aplicar o conceito freudiano de neurose quando um pregador, aos gritos, promete mundos e fundos e leva todos a oscilarem entre o que são e desejam ser, ou entre o Ego e o mundo, aproximando-os de uma psicose?
Depois de andar na net pelos vídeos dos congressos e de seus pregadores, fiquei preocupado, porque como assembleiano e jovem ministro não sei bem quais serão os nossos futuros paradigmas de pregação e pregador. No entanto, já que entrei neste último parágrafo em questões proféticas, talvez possa arriscar dizer que chegará o tempo em que os circos não serão necessários, porque teremos as igrejas e os púlpitos!

15 comentários:

  1. Gostei de suas colocação acho também que a linha é tênue entre o evangélio de Cristo e dos homens, sou batizado em Cristo Jesus pela Assembléia de Deus de Bom Sucesso Paraná a um ano e um mês, e participo da igreja já a dois anos e tive o livramento de escapar dessas igrejas que batizam as pessoas para fazer numero, o Evangelista e o Pastor que me orientaram me incentivaram a fazer 4 meses de discipulado para realmente conhecer os costume da igreja e a doutrina de Cristo, assim como sempre me orientaram para passar toda a pregação que receber inclusive as deles pela Bíblia sagrada, o que me faz muitas vezes me assustar com o que vejo na televisão, internet e algumas igrejas aqui em volta do meu município

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo,

    Obrigado pelo realismo de seu texto e pela capacidade de trazer a discussão para uma linguagem que todos/as podem entender. É animador ver um jovem ministro com as esperanças ainda de pé, apesar do ambiente tão contrário à formação que recebeu.

    Desejo-lhe muito força nesta luta!

    Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  3. Grande Filipe,
    obrigado pelo comentário.
    É verdade, ainda creio em mudanças... "A esperança (sempre) vence o medo". E a luta continua!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá Fk,
    agradeço o comentário.

    Fico feliz com o processo que passaste até criar a mentalidade crítica demonstrada em teu comentário. Através de nossas reflexões podemos fomentar novas perspectivas litúrgicas e modelos de pregação na nossa bleia.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Fernando, criciuma-SC
    Oooooo Kenner, eu estou assistindo os videos do Hernandes dias lopes pelo youtube, será que ele também é do mau...

    Se bem que ele é presbiteriano, e não assembleiano...rsrsrsr

    Mano, isso não é nada, tu tem de fazer uma excursão espiritual no Gideões, aqui em SC, rsrsrrs, tu vai pira o cabeção de tanta BESTEIRA, vai ter uma overdose de PODER...

    Misericórdia Senhor, ou, Socorro mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Grande Fernando...
    Se eu te falar que cheguei a essas conclusões vendo exatamente videos desse congresso vc acreditaria?

    grande abraço

    ResponderExcluir
  7. Pr Gabriel M Dantas17 de maio de 2010 18:59

    Olá amigo,

    É o velho "pão e circo"...infantilizador e ridículo como sempre.
    Essa realidade não é restrita a nenhuma denominação brasileira, lamentavelmente.
    Sobre os 200 mil, poderiam ser "homo demens". Quem sabe? E sobre os paradigmas, sejamos nós -sempre cristocêntricos.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Fala Gabriel!!!
    É um prazer receber um comentário teu aqui...
    Até quando será esse pão e circo? E, até quando os promotores desse tipo de coisa continuarão alimentando isso?

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, Kenner!!! É uma satisfação ler um texto tão coerente e oportuno.De fato, há muitos púlpitos que mais parecem um picadeiro. Que Deus o ilumine e inquiete teu espírito para expor a Palava de maneira que O agrade. Um abraço fraterno.
    Marcos Pimentel

    ResponderExcluir
  10. Olá Pimentel,
    Prazer tê-lo aqui!

    Sim, enquanto tivermos voz, força e pincel... Continuemos, em graça e fé, procurando por melhor ventos.
    abraço

    ResponderExcluir
  11. Nobre companheiro fico feliz por saber que em todo lado do vasto Brasil existem pessoas defendendo a racionalidade do culto bíblico. E mais ainda me alegro por ver homens que não se cansam em defender a verdadeira sã doutrina, comnbatendo o pragmatismo teológico que tem infiltrado de forma tão intensa em nosso meio. Que Deus o Abençoe.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado Valdeci,
    a caminhada é longa... mas nossa esperança pode vencer os que nos amedrontam.
    grande abraço

    ResponderExcluir
  13. Muito bom caro Mestre que olho crítico excelente!
    De fato foi muito bem colocado a volúpia, que não em todos, mas em muitos congressos e conferencias tem sido ofertada, quase que empurrado goela abaixo de um grande público, que tem sido conduzido a um transe quase que hipnótico por "lideres" (também não os chamo de pastores), pelas suas performances, berros, rodopios e seus ternos e sapatos estapafúrdios provocando uma verdadeira farándula cristã.
    Ate mesmo o texto bíblico já advertia- nos a respeito destes e de outros que virão:
    “...haverá tempo em que a doutrina saudável não os satisfarão; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo os seus próprios ideais, como quem sente coceira nos ouvidos” (2 Timóteo 4.3).
    O que faz esta engrenagem teatral utópica girar, somos nós a grande massa de ouvintes, que tem coceira(aguilhões), em nossos ouvidos por supostas novidades reveladoras de "segredos" ocultos da bíblia, e colocamos a nossa postura de examinadores (o que todos deveríamos ser), por penhor de um triunfo e sucesso extra-bíblico tão esquisito, que nem mesmo no país das maravilhas de Alice seria real.
    Como diria o Ilustríssimo Kenner Terra "já que entrei neste último parágrafo em questões proféticas", em um tempo muito eminente ficara difícil saber o que é a "terra" das maravilhas e o que é o evangelho de cristo, logo que este estará escondido por um "manto" de ideais alheios ao de Cristo.
    Um abraço a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Rossi! Que bom encontra-te aqui.

      Seu comentário foi excelente. Nada a acrescentar! abração

      Excluir
  14. Saudades!!! Verdade vaso,a palavra está se cumprindo a cada dia e pessoas estão entrando já em confusão,e pensam que através desse movimento irão levar alguém para o céu,tá de brincadeira,um grande abraço de toda minha família(congregação Rio Quartel)

    ResponderExcluir